Ambientalistas usam tinta preta e troncos queimados para criticar governo - Projeto ManuelzãoProjeto Manuelzão

Ambientalistas usam tinta preta e troncos queimados para criticar governo

23/10/2019

Manifestação pacífica reivindicou mudança de postura das autoridades em relação à proteção da Natureza

Adriano Machado / Greenpeace

Nesta quarta-feira (23), ativistas do Greenpeace Brasil realizaram protestos exigindo atuação mais eficiente do governo brasileiro em relação à preservação ambiental. Em referência às queimadas na Amazônia, trancos de madeira carbonizados formam despejados em frente à residência oficial do presidente da Republica. Além disso, galões de tinta negra foram despejados simbolizando os litros de óleo que têm se espalhado pelo litoral do país.

De acordo com a ONG, “o governo Bolsonaro comprova, a cada dia, que é inimigo do meio ambiente. A lentidão em resolver problemas, das manchas de petróleo nas praias do Nordeste às queimadas na Amazônia, é reflexo do desmonte ambiental promovido pelo governo e mantém o Brasil no centro das atenções de descasos com o meio ambiente”.

Desde o fim de agosto, manchas de petróleo afetam a natureza, os animais marinhos, as pessoas, a pesca, o turismo e a economia de centenas de locais em todos os estados da Região Nordeste. Até terça (22), o Ibama já havia identificado a presença do material tóxico em 72 municípios de nove estados nordestinos (Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Ceará, Maranhão, Piauí, Rio Grande do Norte, Sergipe e Bahia).

A conduta inadequada do governo Bolsonaro não se limita ao óleo nas praias. Ainda pouco se fez para conter a destruição da Amazônia. Pelo contrário, dados recentes sinalizam as consequências da falta de ação do governo: a área com alertas de desmatamento emitidos em agosto e setembro de 2019 foi 142% maior em comparação ao mesmo período em 2018, conforme indicado pelo sistema Deter, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Veja mais informações no portal do Greenpeace Brasil.

 

Página Inicial

Voltar